domingo, 1 de abril de 2012

A vida é uma coisa louca.

A vida é mesmo uma coisa louca. É uma roda-viva de sentimentos, uma montanha russa de acontecimentos. É imprevísivel. Eu adoro sentir isso. Mas dá aquele receio, normal. Existe vida para além de, sempre. Nestes dias, tenho andado tão mal, tão sem sabor, tão à deriva, tão fria e a sentir nada. Sentir nada assusta-me. É sinal de paragem cardíaca interior. É frieza e gelo. Prefiro rodas-vivas de emoções, mas sentir nada é desesperante. Porque desgosto das pessoas. Porque me divido em incertezas. Porque fico descrente. 

O motivo é para além do trabalho, como sabem, nada fácil. O motivo sou eu, por dentro. Eu, a essência de mim. A minha alma. Eu preciso de encontrar-me, perceber quem sou, perceber a direcção e aí caminhar, correr, andar, caminhar, seguir. Levantar. 

Sinto uma força em mim que não sentia, uma chuva intensa no meu ser está a limpar todo o pó que existe em mim. Vamos, não quero 'ir andando', quero viver intensamente as emoções que a Vida me oferece.

E de um dia para o outro, tudo pode mudar. Porque cá dentro, começamos a descobrir o que somos e ao que viemos. [...]

2 comentários:

  1. Oh minha querida, que se passa contigo??Onde esta aquela doce energia que é tão tua??Pode estar adormecida mas certamente que ainda está dentro de ti...

    ResponderEliminar
  2. Minha querida Ana, nem eu sei. ...

    ResponderEliminar