terça-feira, 17 de abril de 2012

Estado da Nasson


Normalmente, quando os meus amigos perguntam como estou, respondo um habitual e português: "vamos andando..." E isto para mim significa tanto... Significa que não está tudo óptimo, que continuo seguindo num barco no qual conduzo à deriva. Sou marinheira sem direcção e isso é o que mais me aflige. Gostaria tanto e tanto mais de conduzir um barco para uma direcção focada, Norte, Sul, Este, Oeste, mesmo driblando ventos fortes e chuvas ferozes. Tenho a plena convicção que quando temos uma rota traçada, focamos tanto, tanto, tanto e queremos tanto que vamos mesmo ser felizes debaixo de chuva e vento forte, mesmo antes de chegarmos ao almejado destino.

Por agora, não sei onde vou, o que quero e para onde devo conduzir. Sei que estou a construir. Se tivesse a desconstruir despedia-me hoje e levava com mais uma derrota. Não! Sigo. Não sei para onde, nem até quando, mas sigo! Cada dia é uma maré nova. Cada dia é uma descoberta. Será que vou descobrir (me)?

Entretanto, na azáfama do dia-a-dia, no meio das batalhas interiores pelo que será melhor para mim e coisas que tais, redescobri o prazer de correr ao ar livre e deixei o ginásio, as relações humanas estão a ficar um bocadinho melhores, um bocadinho só e estou a gostar muito da rotina estabelecida pelos horários de trabalho. Obriga-me a equilibrio, e nesta altura, tudo o que me dê equilibrio é bem-vindo!

 O meu corpo grita por equilibro, a minha alma pede calmaria, a minha mente anseia por sossego.

1 comentário:

  1. Oh Mia...
    Tenho a certeza que parte disso é devido à situação que vives no trabalho. Eu sei que não é fácil, mas sabes na empresa onde estava antes havia dias mesmo complicados até que comecei a gozar com as situações.
    vais ver que com o tempo... o caminho que queres seguir vai começar a ser mais visível :)

    (e tu tb és uma guerreira, eu acredito em ti)

    ResponderEliminar