sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

familía

sabem o que é terem 23 anos e desde que se imaginam como gente, se lembrarem de discussões, cenas de violência, nervos, pânico e lágrimas? Não, espero que não saibam o que isso é. Mas é verdade. Aliás, é a minha verdade.E deve ser a verdade de muitos, infelizmente. Faço parte de uma família absolutamente disfuncional. Aqui não existe a típica família. A minha mãe sempre discute com tudo e todos. comigo não, porque eu sou torta. cresci moldada a este espírito que se vive lá em casa. mas calma, eles não são más pessoas. não, não são, são disfuncionais. não são exemplo para ninguém e, também nunca o foram para mim. eu mesma, sempre soube aquilo que quero. sem exemplos de mãe e pai felizes e juntos, mãe avó avô e tio.. Sinceramente, não é por isso também que serei pior ou melhor pessoa. mas com certeza que sou diferente. talvez no Natal a maioria das meninas sempre pediram prendas. eu pedia paz. paz. ambiente sem discussões. amamo-nos muito todos. mas tão depressa estão todos aos beijos como todos a discutir. não quero com este desabafo estar a ser injusta. tenho tudo o que quero. e a vida é boa e bela. só me apeteceu desabafar isto aqui, porque estes últimos dias têm sido desgastantes a nível emocional. hoje saí de casa, fui comprar duas fatias de bolo e voei para a minha outra casa. aqui estou, sozinha. e acho que vou ficar aqui até amanhã. Sinto-me desgastada. não sei se iniciarei muito bem o ano, mas isso também nada me diz. quero é mudar-me. porque existe em mim muitos destes moldes, sou nervosa, muito nervosa, e por vezes estou triste com as minhas atitudes consequentes disso mesmo. bato com a porta, grito, e às vezes para quem não merece. mas juro que não sou de ferro aos 23 anos que vivi deste modo. e não é nenhuma desculpa.

Por isso e, tudo bate certinho nesta vida, é que me apaixonei uma única vez na vida e foi por um rapaz que tinha uma família linda, exemplar, perfeita, com muitos maninhos, muito respeito, muita cordialidade. lindo. talvez fosse por isso, não sei. E agora, não sei se me vou apaixonar de novo por alguém assim, mas o meu interesse neste momento foi por alguém, que coincidência das coincidências, também acho que tem uma família assim.

Um dia vou ter uma família. Feliz e grande! :)

8 comentários:

  1. Não te leio há muito tempo, Mia, mas pelo que demonstras através daquilo que escreves penso que és uma pessoa incrivelmente genuína, com sentimentos lindos, um verdadeiro doce.

    Por isso, a família que construíres no futuro, será sem dúvida alguma o reflexo da pessoa que és ((:

    **

    ResponderEliminar
  2. Que coincidência, também acabei de ler um post teu. ahaha :D Obrigada. Genuína sou muita amélie. Pro bem e pro mal. Ain :/

    ResponderEliminar
  3. Eu percebo - te. Cresci mais ou menos assim, e mesmo separados os meus pais insistem em picar -se mesmo estando eu e o meu irmão no meio. Enfim, é a vida, resta-nos esperar que connosco seja diferente. não é verdade?

    E concerteza terás uma linda e feliz família...

    Feliz Ano Novo!

    ResponderEliminar
  4. Deixa - me fazer um reparo ao meu último comentário: "... resta - nos FAZER que connosco seja diferente."

    ResponderEliminar
  5. É engraçado, também tenho uma família completamente disfuncional, também só desejo que haja paz nos momentos em família e também quero muito um dia construir a minha família. No entanto, ao contrário de ti não consigo relacionar-me com pessoas demasiado perfeitinhas e sem problemas. Quando me envolvo com esse tipo de pessoa acabo sempre por fugir. Enfim, tenho a certeza que vais construir a tua família grande e muito feliz, é so lutares por isso :)
    Desejo-te um óptimo ano 2012. Que comece de forma muito feliz e que os momentos maravilhosos se prolonguem ao longo do ano. beijinho*

    ResponderEliminar
  6. Liliana, bem-vinda ao meu mundo :-) Que tenhas O ANO... com muita energia boa,*!! Beijinho

    Shelyra, temos mesmo muito em comum.. Eu por acaso penso muitas vezes que quero criar a minha família grande e feliz, mas também penso que, antes de tudo, quero me sentir bem sozinha. Não sei explicar. Resumindo acho que quero tudo o que seja genuíno, claro e verdadeiro. Sendo que se não encontrar O AMOR da minha vida, mais vale estar quieta. COm 23 anos nunca namorei e isso explica muita coisa de mim. Beijinho

    ResponderEliminar
  7. Olá Mia.
    Gosto de "te ler".
    Parabéns pelo Blogue.
    Um conselho de uma rapariga com mais 10 anos e com uma família parcialmente (a da mãe) disfuncional: Não planeies, pensa antes em usufruir. Ou seja, não desejes uma familia grande e feliz. Sê primeiro feliz! E não quer dizer que tenhas que ser feliz primeiro sozinha (por teres dito " quero me sentir bem sozinha")... let it flow.
    Eu nem sempre consigo porque a parte disfuncional persegue-me mas tento deixar a vida fluir :)
    Sê feliz.

    ResponderEliminar
  8. Obrigada Inês.. Gosto de saber que me entendes. E analisei bem as tuas palavras, acredita! Sê feliz, também.*

    ResponderEliminar